domingo, 19 de abril de 2015

Pasta/Manteiga de amendoim

 
Olá!
 
Quem gosta de amendoim? (Acabei de me lembrar de cajuzinho... nossa! Ai que delícia, ai que sabor de infância!)
Seja no pão, na torrada (com geleia! Sim, fica muito bom com geleia!), com banana, em receitas... essa pasta /  manteiga é a coisa mais simples do universo. É só ter paciência e um processador que aguente a missão, rs.


 
Pasta / manteiga de amendoim
 
Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem glúten, leite, ovos e soja. Vegana.
 
3 xícaras de amendoim cru
1/2 colher de chá de sal
3 colheres de sopa de açúcar demerara
 
Obs. as quantidades são a gosto, faça a quantidade que preferir e acrescente mais açúcar caso goste de uma pasta mais doce. O sal é para realçar o sabor, mas se preferir não o coloque.
 
1. Despeje o amendoim em uma assadeira e leve para torrar no forno médio pré aquecido (180 graus). É bom sacudir a assadeira de tempos em tempos para que torrem por igual. Eu prefiro não torrar muito, quando está levemente dourado tiro do forno. Aguarde esfriar e tire o máximo da pele do amendoim que conseguir, para fazer isso esfregue os grãos nas mãos.
2. Bata no processador até virar uma farinha, acrescente o sal e o açúcar e daqui para frente é só ter paciência e bater. Demorei 15 minutos, precisa ir parando, raspando as laterais e mexendo a massa para que processe por igual e para que o óleo do amendoim vá se soltando. Em algumas receitas há a sugestão de colocar um fio de óleo para ajudar a bater, mas não usei. UPDATE: mentira! lembrei que coloquei 1 colher de chá de óleo de girassol! rs
 
Use para passar no pão e em receitas, como por exemplo, de cookies, trufas e docinhos.


 
Beijos e Ótima semana!

Com amor,
 
Monalisa Cavallaro

domingo, 12 de abril de 2015

Merengue recheado com chocolate


 
Oi, Queridos!
 
Aqui está o merengue recheado que comentei no post anterior.
Infelizmente esqueci a receita no forno, por pouco não queimou. Por isso não reparem na foto de merengue passado! :( Passou do ponto, secou demais... mas apesar dos pesares ficou muito gostoso e consegui matar minha vontade!
Deixem o tempo correto no forno e o merengue ficará úmido e macio por dentro!
 
 
Merengue recheado
Fonte: ligeiramente adaptado do Food Republic.

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem glúten, leite e soja.

2 claras
1 pitada de cremor de tártaro (quem não tiver pode fazer sem)
1 pitada de sal
1/2 xícara de açúcar demerara batido no liquidificador para ficar fino
1 colher de chá de extrato de baunilha

Recheio: docinho de chocolate - receita aqui.

1. Ligue o forno na temperatura mínima (160 graus). Forre uma assadeira com papel manteiga e reserve.
2. Na batedeira, bata as claras com o cremor de tártaro e o sal até ficar espumoso. Acrescente o açúcar e o extrato de baunilha e bata por mais 5 minutos até formar picos firmes.
3. Coloque uma colherada do merengue no papel manteiga e espalhe um pouco para fazer uma base redonda. Coloque no centro uma bolinha do docinho de chocolate (feita com aprox. 2 colheres de chá. Se quiser pode colocar mais).
4. Cubra a bolinha com mais merengue (eu coloquei em uma manga de confeitar com um bico grande e preenchi como se estivesse fazendo a cobertura de um cupcake).
5. Leve para assar por 25 a 30 minutos.

Observação: a temperatura do forno precisa ser a mínima para que o merengue seque aos poucos.

Rendimento: 9 merengues grandes.

Beijos e ótima semana a todos!

Com amor,


Monalisa Cavallaro

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Docinho de Chocolate



 
Olá, queridos!

A massa desse docinho foi utilizada como recheio de uma receita de merengue recheado que fiz e que vou postar para vocês em seguida.
Como sobrou bastante massa, fiz as bolinhas, passei na farinha de coco e arrumei nas forminhas. Ficou uma delícia e por isso vou postar separado para ser uma opção de docinho de festa para quem desejar. 
 
 
Docinho de Chocolate
Fonte: adaptado do Food Republic
 
Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem glúten, leite, ovos e soja. Vegana.

1 xícara de chá de castanha de caju
2 colheres de sobremesa de óleo de girassol (ou de coco)
4 colheres de sopa de açúcar demerara (batido no liquidificador para ficar fininho)
2 colheres de sopa de cacau 100%
1/4 xícara de chá de chocolate meio amargo derretido*
2 colheres de sopa de "leite" de aveia morno (ou outro "leite" vegetal) Obs. a aveia utilizada foi a certificada sem glúten. Qualquer outro leite vegetal pode ser utilizado como substituto.
1 pitada de sal
Cerca de 5 colheres de sopa de farinha de coco para envolver os docinhos

*escolha o chocolate de acordo com as suas intolerâncias e alergias (exemplo: sem glúten, sem leite, etc). Fiz com o chocolate Callebaut 70% que é sem lactose, mas contém traços de leite.

Bata no processador a castanha de caju com o óleo até virar uma massa.
Acrescente os demais ingredientes e bata bem, até formar uma massa homogênea.
Coloque na geladeira por 30 minutos.
Faça bolinhas e passe na farinha de coco (ou na farinha de amêndoas ou outra castanha, no cacau em pó, etc).
 
 
 Feliz Páscoa!
 
 
Com amor,
 
Monalisa Cavallaro
 
 

sábado, 28 de março de 2015

Queijos / Pastas vegetais fermentadas


 
 
Olá!

Lembram que contei que estou estudando sobre alimentação viva?
Continuo aprendendo a germinar sementes e sigo fazendo algumas receitinhas. Prometi que quando fizesse o queijo vegetal fermentado com o Rejuvelac (que ensinei aqui) iria colocar o passo a passo para vocês e aqui está! :)
 
A receita tem o nome de "queijo", porém fica como uma pasta espessa que pode ser moldada em bolinhas, bolonas... do jeito que você quiser.
Quando falamos 'queijo' não tem como não comparar com queijo de leite de vaca, não é mesmo? Eles são totalmente diferentes. O "queijo" da foto parece mais com a ricota que fazemos com a sobra dos leites vegetais com relação a textura, mas mais macio e levinho.
Na minha opinião, o nome que mais combina com a receita é pasta fermentada, por isso coloquei os dois nomes no título. O sabor é muito gostoso e a textura deliciosa. Vamos deixar as comparações de lado e saborear o que é gostoso! :)
 
Alimentação viva é carinho e paciência. Nunca vamos conseguir desejar a receita e fazer no mesmo dia porque precisamos das sementes germinadas, então é preciso planejamento, ok?
 
Recadinho últimas vagas:
Está chegando, Rio de Janeiro! É dia 15 de abril as 14h00 no Ateliê Bendita Panela (Recreio) a nossa aula recheada de dicas e receitas sem glúten, lácteos, ovos e soja com as Nutricionistas Monalisa Cavallaro (Eu!) e Dinalva Prado. Últimas vagas, garanta já a sua! A descrição das receitas que serão ensinadas, informações e inscrições são através do site: www.benditapanela.com.br
 
 
Queijo / Pasta vegetal fermentada com Rejuvelac - Alimentação Viva
 
1 xícara de grão de bico cru
1/2 xícara de chá de castanha do Brasil (ou castanha de caju)
aproximadamente 1/2 xícara de Rejuvelac (veja como preparar aqui)
 
Primeiro passo - germinar o grão de bico
- Escolha os grãos e descarte os que estiverem danificados. Lave bem em água corrente e deixe de remolho na água por 8 horas;
- Escorra a água, coloque os grãos em um vidro. Cubra com um voil e amarre a boca do vidro com um elástico. A boca precisa ficar para baixo e inclinada a 45 graus de forma que o excesso de água possa escorrer e o oxigênio possa entrar (vide foto no Rejuvelac). Quem quiser, pode colocar os grãos em uma peneira e cobrir com voil;
- Molhe os grãos duas vezes ao dia, pela manhã e a noite. Escorra o excesso de água e volte o vidro para a posição de 45 graus. Faça isso até começar a germinar e o "narizinho" aparecer (foto abaixo), demora aproximadamente 48 horas. Assim como as pessoas não são iguais, as sementes também não são. Então em alguns vai nascer um narizinho e em outros um narigão, vejam na foto do lado esquerdo, rs. :)
- Retire a pele dos grãos. Uma maneira bem fácil que aprendi é colocar os grãos em um saco e bater com uma garrafa, por exemplo, para que os grãos se partam. Depois jogue tudo em uma vasilha com um pouco de água. A pele vai boiar, é só retirar e verificar os outros grãos para se certificar de que não restou nenhuma pele presa.
 
 
Segundo passo - acordar a castanha do Brasil
A castanha do Brasil passa por processo térmico para retirar a casca, portanto ela não é considerada alimento vivo (a não ser que você compre a castanha com a casca e tire em casa). Não ser um alimento vivo significa que não vai germinar como o grão de bico. Só! Ela continua sendo um ótimo alimento com um grande valor de nutrientes. O mesmo ocorre com a castanha de caju. Então nesse caso, não teremos como germiná-las, vamos apenas hidratá-las.
Quando o grão de bico já estiver praticamente germinado, lave as castanhas do Brasil e coloque de remolho na água por 4 a 6 horas. Descarte a água de remolho.
 
Terceiro passo - liquidificar
Bata bem o grão de bico germinado e a castanha do Brasil hidratada no liquidificador, colocando o rejuvelac aos poucos, apenas o suficiente para conseguir bater (foto abaixo).  

 
 
Quarto passo - fermentar
Precisamos deixar o queijo pendurado para o excesso de rejuvelac cair e para que a fermentação ocorra. Você pode colocar em um voil, amarrar e deixar pendurado em um local seguro da sua cozinha com uma vasilha embaixo para cair o soro. Eu não consegui fazer isso porque aqui em casa temos 3000 formigas morando conosco, rs. Então olhem só a situação do meu queijo, tive que colocar pendurado dentro da jarra e colocar a jarra dentro de um prato com água. Situação ridícula, né? Mas só assim para as formigas não tomarem conta, rs. Deixe fermentando por 8 a 10 horas. Já deixei mais do que isso e achei que ficou amargo, o tempo de 9 horas foi o ideal para mim.
Tempere o queijo da maneira como preferir, coloquei sal e limão, fiz as bolinhas e passei na cúrcuma, na páprica picante e no orégano. Com orégano ficou sensacional, meu preferido.
O soro que escorreu pode ser consumido, bata com frutas.
 
Coloquei 2 livros que estou lendo sobre alimentação viva na nossa Biblioteca Sem Lactose, estão no final da lista. Para ver clique aqui.

 
 
E esse é o queijinho estilo alimentação viva!
 
É uma delícia consumir um alimento que você se dedicou a preparar, acompanhou o crescimento e aguardou ansiosamente que ficasse pronto! :)
 
Com amor,
 
Monalisa Cavallaro

domingo, 22 de março de 2015

Macarrão com Molho de Legumes


 
Olá, Queridos!

Antes de ir para a receita, gostaria de avisá-los que já está disponível o Calendário de Cursos para os meses de Abril e Maio no menu acima, no item Cursos/Serviços (para acessar clique aqui).
No dia 15 de Abril estarei no Rio de Janeiro e no dia 23 de Maio vou novamente para Brasília (Amo!) com dois cursos. Acessem para mais informações. :)
 
Esse molho é o mais simples do universo. Adoro prepará-lo de diversas formas, principalmente quando estou sozinha por ser prático. Vocês podem utilizar qualquer legume disponível na geladeira ou se quiser, pode fazer uma versão com carnes.
A castanha de caju pode ser substituída por amêndoas, também fica uma delícia!  
 
 
Molho Cremoso de Legumes

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem glúten, leite, ovos e soja. Vegana.

1 xícara de chá de castanha de caju
500 ml de água
1 colher de sopa de azeite ou óleo
1 dente de alho picado
3 colheres de sopa de cebola picada
1 cenoura grande ralada
1 berinjela média cortada em cubos (gosto de tirar pele e semente, quem quiser pode deixar)
4 colheres de sopa de azeitona verde picada
1/4 xícara de chá de água
1/2 xícara de salsinha e cebolinha picada
Sal a gosto
Pimenta preta moída na hora a gosto (opcional)
1 colher de sopa cheia de amido de milho
1 colher de chá rasa de cúrcuma

Macarrão de sua preferência - celíacos: utilizar macarrão sem glúten.

1. Prepare o "leite" de castanha de caju. Deixe a castanha de caju de remolho em água por 8 horas*. Escorra a água. Bata no liquidificador a castanha com os 500 ml de água. Coe em um voil ou peneira bem fina. Reserve.
2. Aqueça o azeite ou óleo em uma panela. Coloque a cebola e aguarde ficar transparente. Acrescente o alho, aguarde começar a dourar e adicione a cenoura, a berinjela e a azeitona. Coloque sal e pimenta. Despeje a água e aguarde secar, mexendo esporadicamente. Acrescente a salsinha e cebolinha.
3. Dissolva o amido de milho em um pouco do "leite" de castanha de caju reservado (obs. se quiser o molho menos cremoso, coloque menos amido). Despeje o "leite" e o amido na panela. Mexa até engrossar. Corrija o sal se necessário. Por último, coloque a cúrcuma e mexa bem.  Sirva imediatamente com o macarrão de sua preferência.

*Não deixar a castanha de remolho não vai interferir no sabor da preparação. O tempo de remolho é para diminuir antinutrientes presentes nas castanhas, como o ácido fítico. Esse cuidado é aconselhado para pessoas que consomem oleaginosas com muita frequência. Se você consome esporadicamente, não haverá mal em não fazer esse processo. O mesmo vale para quem consome sempre, tomando o cuidado de deixa-las de remolho: se não fizer o processo uma vez ou outra não vai causar prejuízo para a saúde.

Serve 4 pessoas bem servido.

 
Ótima Semana!

Com amor,
 
Monalisa Cavallaro

domingo, 15 de março de 2015

Bolo de Maçã


 
Olá!

Alguém quase esqueceu o bolo no forno, quase! rs
Eu ia fazer uma nova versão do meu bolo preferido de avelã com mirtilos baseado na versão da querida Lígia Lozano que fez com maçã. Na hora H mudei uma coisa aqui, outra ali e no fim não ficou como o meu bolo preferido, mas mesmo assim ficou bom, principalmente se consumido quente.
Acredito que ainda posso melhorar, mas enquanto não faço uma nova versão, vou publicar essa para vocês. :) 


Bolo de Maçã

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem glúten, leite, ovos e soja. Vegana.

2 colheres de sopa de farinha de linhaça
6 colheres de sopa de água
3/4 xícara de chá de "leite" de arroz (ou outra bebida vegetal de sua preferência)
1 colher de sopa de sumo de limão
1 xícara de chá de creme de arroz (ou farinha de arroz)
1/2 xícara de chá do resíduo do "leite" vegetal de castanha de caju*
1/4 xícara de chá de polvilho doce
1 colher de café de canela em pó (opcional)
1/2 xícara de chá de açúcar demerara
1 xícara de chá de maçã ralada (ralei com casca e pinguei gotas de limão para não escurecer)
1/4 xícara de chá de óleo
1 colher de sopa de bicarbonato de sódio (ou fermento químico em pó)

*resíduo do "leite" vegetal de castanha de caju são as castanhas trituradas que foram coadas no preparo do leite.

1. Misture a linhaça com a água e aguarde até formar um gel. Misture o sumo de limão no "leite" de arroz e reserve.
2. Misture os demais ingredientes em uma vasilha (menos o bicarbonato), acrescente o leite reservado e o gel de linhaça, mexa bem. Coloque o bicarbonato e mexa.
3. Despeje a massa em uma forma redonda com furo no centro. (Eu untei a forma com óleo e depois polvilhei com uma mistura de flocos de quinoa, canela em pó e açúcar demerara, por isso ficou bem dourado, mas isso é opcional). Leve para assar em forno médio pré aquecido (180 graus) por 40 minutos ou até que ao espetar um palito o mesmo saia seco.

Observação: quem quiser e/ou puder, pode substituir a farinha de linhaça + água por 2 ovos.

 
E daqui a exatamente 1 mês estarei no Rio de Janeiro para um curso de culinária delicioso! Para mais informações clique aqui.
 
 
Com amor,

Monalisa Monalisa Cavallaro

quinta-feira, 5 de março de 2015

Curso no Rio de Janeiro - 15 de Abril



Olá, Queridos da Cidade Maravilhosa!

Em Abril estarei no Ateliê Bendita Panela (Recreio – RJ) ministrando um curso delicioso que está do jeitinho que eu sempre quis.
Meu objetivo não é apenas ensinar o passo a passo das receitas, mas sim abordar os principais nutrientes envolvidos e sua importância, além de passar dicas nutricionais que podem ser utilizadas facilmente no dia a dia.

Vamos conversar e aprender muito (e claro, comer também!) :)
 
ATUALIZAÇÃO: Data alterada para dia 15 de Abril (quarta-feira) 
Ateliê Bendita Panela
14h00 as 17h00
Turma extra: 19h00 as 22h00
Máximo de 8 alunos por turma.

Investimento: R$230,00
Inscrições através do site: www.benditapanela.com.br , clique em "Nossos Cursos".

Conteúdo:
As Nutricionistas Monalisa Cavallaro e Dinalva Prado vão explicar o passo a passo das receitas e seus benefícios nutricionais:
- Maionese vegetal de manjericão
- Manteiga de óleo de coco
- Queijo vegetal firme que derrete!
- Chapati de Batata Doce (pão de frigideira)
- Biscoito salgado
- Leite nutritivo de quinoa e avelã
- Cookies de cacau
Com receitas extras na apostila.
 
Obs. todas as receitas são sem glúten, lácteos, ovos, soja e veganas.
 
 
Com amor,

Monalisa Cavallaro 

segunda-feira, 2 de março de 2015

Bolo de Abacaxi Invertido

 
Olá!

Temos algumas opções na hora de substituir os ovos em receitas. A minha preferida é sem dúvida a linhaça e esse bolo aqui é o exemplo de que bolo sem ovo pode ter uma textura maravilhosa e ser sensacional!
Porém como nem todos gostam de linhaça, trago uma sugestão bem simples de utilizar em bolos: a banana. Na minha opinião, bolos que utilizam banana como substituto precisam ter um algo a mais como por exemplo uma cobertura, calda, pedaços de frutas, etc... A textura não fica tão leve e comer um bolo assim puro e simples não tem muita graça, apesar de também ficar gostoso.
Eu gostei muito desse bolo, as amêndoas dão um sabor todo especial e o abacaxi cozido é delicioso. :) 

 
Bolo de Abacaxi Invertido
 
Base:
4 colheres de sobremesa de açúcar demerara
1/2 abacaxi picado (ou quantidade suficiente para cobrir o fundo da forma)
 
Massa:
1 xícara de chá de creme de arroz (ou farinha de arroz)
1/2 xícara de chá de resíduo do "leite" vegetal de amêndoas* (ou farinha de amêndoas)
1/4 xícara de chá de amido de milho
1/3 xícara de chá de açúcar demerara
1/3 xícara de chá de banana amassada
4 colheres de sopa de óleo
3/4 xícara de chá de água (ou leite vegetal)
1 colher de sopa de fermento químico em pó
1 colher de chá de canela em pó (opcional)
 
* resíduo do "leite" vegetal de amêndoas são as amêndoas coadas depois de bater no liquidificador para preparar o leite.
 
Usei uma forma pequena de 20 cm de diâmetro e 5 cm de altura. 
 
1. Unte a forma com óleo, espalhe as 4 colheres de sobremesa de açúcar demerara e forre com o abacaxi picado. Reserve.
2. Em uma vasilha, misture todos os ingredientes da massa. Despeje em cima da forma com o abacaxi e bata a forma em cima da mesa para a massa assentar. Leve ao forno médio pré aquecido (180 graus) por 30 minutos. Aguarde alguns minutos para desenformar.

 
Beijos e Ótima semana!

Com amor,
 
Monalisa Cavallaro

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Rejuvelac


Olá, Queridos!

Estou me dedicando a algo que veio preencher uma lacuna nessa minha trajetória da Nutrição: a alimentação viva. Já ouviram falar?
Tenho certeza que para muitos o termo natureba ou "naturebice" logo veio em mente, rs.
 
Na minha opinião, o ser humano é muito mais do que o físico. Temos nosso lado emocional, espiritual... muitas coisas acabam nos afetando, mesmo que não sejam visíveis ou palpáveis.
Por esse motivo, faço parte da turma que acredita que quando nos alimentamos recebemos muito mais do que os nutrientes presentes nos alimentos, como os macronutrientes (proteínas, carboidratos, lipídeos) e micronutrientes (vitaminas e minerais). Recebemos. principalmente, a energia vital desse alimento. Da mesma forma como recebemos energia vital do sol, do ar, da água...

Claro que cada um acredita e sente uma coisa. Parafraseando a minha amiga Adriana Souza: "se o que eu falar faz sentido para você e toca o seu coração, então ok! Se não, apenas deixe para lá".

Não estou falando especificamente em virar vegetariano, vegano ou ficar restrito a um estilo de vida. Acredito que é possível sim ter um equilíbrio, sem extremismos. Começamos a criar hábitos e descobrir novos caminhos aos poucos. Com o tempo, o que faz mais sentido e faz você se sentir melhor permanece.

Por isso, não vou encher vocês com textos imensos. Como o blog é o meu diário e mostra muito da minha vida, vou postando aos poucos o que estou aprendendo e convido vocês a experimentar.
Vou começar com o básico da alimentação viva que é o Rejuvelac: uma bebida probiótica e enzimática obtida através da fermentação de cereais (o mais comum é o trigo, mas é possível fazer com arroz integral, quinoa, aveia, cevada - em grãos e orgânico).
O Rejuvelac também  pode ser utilizado em receitas, como por exemplo, para fermentar iogurtes e queijos.
Os probióticos dão uma grande ajuda para o nosso intestinos. Fora isso, a energia vital proveniente dos microrganismos da fermentação é imensa! Dá para sentir a diferença...
No final do post deixo uma sugestão de sites para quem se interessar mais sobre o assunto.

O preparo não é trabalhoso, mas sim demorado porque precisamos fermentar a bebida e isso não ocorre em 2 horas.
 
Suco de amora, manga e rejuvelac.

Rejuvelac
 
Atenção: é muito importante que os potes e jarras utilizados sejam de vidro e que tudo esteja muito bem higienizado.
 
A receita abaixo rende 500 ml de Rejuvelac por fermentação. Como teremos 3 fermentações, o total é de 1 litro e meio. Se preferir, dobre ou triplique a receita.
 
Primeiro passo: germinação.
 
Lave bem 1/2 xícara de chá de arroz integral orgânico. Coloque em um pote de vidro, despeje 1 xícara e meia de água filtrada, cubra com um voil e amarre com uma fita ou elástico (foto 1). Deixe descansar por 8 horas.
Após esse período, escorra a água e lave muito bem os grãos (umas 4-5 vezes até que a água não saia mais turva).
Coloque o vidro (ainda com o voil amarrado) de boca para baixo em um local inclinado de forma que fique a 45 graus (foto 2). Vai ser necessário lavar os grãos duas vezes por dia, de manhã e a noite. Dentro de 24 horas os grãos vão começar a germinar, vai aparecer um "narizinho" na ponta dos grãos. Se a maioria já estiver assim, pode passar para o segundo passo. Se não, deixe mais algumas horas. Na foto 3 os grãos estão com 12 horas de germinação, o narizinho está começando a surgir. Quando completar 24 horas, ele já vai estar totalmente para fora.
 
Segundo passo: fermentação.
 
Despeje 500 ml de água filtrada no vidro com os grãos. Tampe novamente com o voil. Deixe em um local da sua cozinha onde não tenha corrente de ar e aguarde 24 horas. Após esse período, será possível observar um monte de bolhas de ar entre os grãos, vai criar uma espuma na superfície e uma espécie de "nata" (foto 4 e 5). Sinal que a fermentação está a todo vapor e que o Rejuvelac está pronto!
O cheio vai ficar bem característico de fermentação, é estranho a princípio, mas precisa estar agradável, algo parecido com mato e um pouco de limão. Não pode estar com cheiro ruim ou de podre, por exemplo.
Essa é a primeira fermentação, pode escorrer o Rejuvelac (deixe um restinho dentro do pote) passando por uma peneira para segurar os grãos e a nata, coloque em uma garrafa de vidro e coloque na geladeira. Deverá ser consumido dentro de 24 horas.
Acrescente mais 500 ml de água e aguarde mais 24 horas. O resultado será a segunda fermentação.
Como usei o arroz integral, será possível fazer uma terceira fermentação. Se o vidro estiver muito sujo de nata e espuma, tire os grãos de dentro, lave o vidro, volte os grãos e despeje novamente 500 ml de água filtrada. Depois de 24 horas retire o Rejuvelac e não haverá mais fermentação desses grãos.
 
 
 
 
 
 
Como utilizar?
 
- pode ser bebido puro ou com limão;
- misturado a sucos, vitaminas, smoothies...
- pode ser utilizado na fermentação de iogurtes e queijos vegetais. Estou empolgadíssima com esse uso, tentei fazer o queijo, mas o meu não deu certo, passei o tempo de fermentação. Assim que for acertando prometo que coloco aqui para vocês.
 
Quem quiser ir pesquisando e fazendo seus próprios testes, vejam essas sugestões:
 
- Iogurte de amêndoas do site Veganana
- Queijo vegetal fermentado do site Cruzinha
- Informações sobre alimentação cru e viva no site Doce Limão da Conceição Trucom. A Conceição tem um vídeo onde explica certinho como fazer o Rejuvelac, assista aqui.
- Informações sobre germinação e alimentação viva no site Terrapia
 
Há inúmeros sites e receitas na internet com receitas e dicas sobre alimentação viva. Experimentem!
 
Com amor,
 
Monalisa Cavallaro
 
 

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

"Pizza" de Polenta de Grão de Bico

 
Olá, Queridos!

Estou a todo vapor montando os cursos de 2015, se tudo der certo inicio dentro de algumas semanas e aviso vocês com antecedência.
Durante os testes de receitas acabou saindo essa torta que apelidei de pizza pelo formato e a cara apetitosa. Iria guarda-la para ensinar em alguns dos cursos, mas não aguentei esperar: vocês precisam saborear essa delícia! Coloco aqui com todo o meu carinho especialmente para vocês! <3
A base é feita de "polenta de grão de bico", quem não tiver farinha de grão de bico pode fazer com a polenta tradicional de fubá.
O recheio é de legumes com creme de castanha de caju para ficar bem cremoso e úmido. O tomate picado cru espalhado por cima dá um toque refrescante e o que era bom fica melhor ainda!
Façam e voltem aqui para me contar! :)

 
 
"Pizza" de Polenta de Grão de Bico

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem glúten, leite, ovos e soja. Vegana.

Base - Polenta de  Grão de Bico:
Fonte: ligeiramente adaptado do blog Ser Vegana.

1 1/2 xícara de chá de farinha de grão de bico
2 1/2 xícara de chá de água
1 colher de chá de sal ou a gosto
1 colher de chá de cúrcuma em pó ou a gosto
1/2 colher de chá de páprica picante ou a gosto

Misture todos os ingredientes em uma panela. Leve ao fogo alto e mexa até começar a engrossar. Abaixe o fogo e mexa sem parar até que desgrude do fundo da panela e fique uma massa homogênea. Unte com azeite uma forma ou assadeira redonda. Despeje a polenta e ajeite com as costas de uma colher, deixando a lateral um pouco mais grossa. Coloque na geladeira e aguarde endurecer.
 
 
Recheio:
1 colher de sopa de óleo
1 cenoura média ralada
1 abobrinha média ralada
1/4 xícara de chá de cebolinha picada
Sal e temperos a gosto (usei sal e um pouco de pimenta do reino)
 
Creme de castanha de caju:
1/2 xícara de chá de castanha de caju deixadas de molho na água por 8 horas
1/2 xícara de chá de água
Suco de 1/2 limão
Sal a gosto
 
Para enfeitar: 1 tomate grande picado e 1 colher de sopa de orégano
 
1. Aqueça o óleo em uma frigideira grande. Acrescente a cenoura e a abobrinha, mexa até a água da abobrinha secar. Coloque a cebolinha e os temperos. Reserve.
2. Bata todos os ingredientes do creme de castanha de caju no processador. Despeje na panela com o recheio e volte ao fogo. Corrija o sal e temperos se necessário. Mexa em fogo baixo até ficar um creme espesso, ainda úmido.
3. Despeje o recheio em cima da polenta e leve ao fogo médio pré aquecido (180 graus) até dourar de leve a borda da polenta. Retire do forno, coloque o tomate picado e polvilho orégano.

A rosa que está no centro da "pizza" foi feita com a pele do tomate. Descasquei o tomate da mesma forma que descascamos uma laranja e enrolei a pele novamente.
 
 
Um recadinho: tenho recebido muitos e-mails e mensagens, por isso não consigo responder tudo prontamente. Quem enviou e-mail fique tranquilo que estão sendo lidos e respondidos. ;)
 
 
Um grande beijo e ótimo fim de semana!
 
 
 
Com amor,
 
Monalisa Cavallaro