Slider

terça-feira, 10 de julho de 2018

Salada de grão de bico com tahine e hortelã



Olha quem chegou: uma receita salgada! :) 

Hoje vim falar uma coisa: sabe aquela história de ter que incluir alimentos mais saudáveis na alimentação e não conseguir porque não tem ideia do que fazer, e então aprende uma determinada receita e faz até enjoar e depois nunca mais consegue olhar para aquilo? (Tá bom, acho que eu falei mais de uma coisa... hehe).

Então, vou dar um exemplo de como podemos diversificar. Alimento escolhido: senhor grão de bico.

Todo intolerante que se preza já provou homus (pasta de grão de bico feita com tahine, alho, limão, azeite) para passar no pão e comeu até enjoar. Certo?
(Se você respondeu não, calma que seu dia vai chegar).

Mas calma lá, não vamos excluir o grão de bico de nossas vidas. Como incluir o grão de bico de outras formas?

O primeiro pulo do gato pode ser a inclusão da farinha de grão de bico nas receitas, aqui no blog o que não falta é receita com farinha de grão de bico. O bom da farinha é que o sabor fica neutro, não precisa fazer o processo de deixar os grãos de molho ou correr o risco de dar gases ao consumir o grão com a casca. Digamos que a farinha é a facilidade pura. Ah, e você encontra em casa de produtos naturais e zonas cerealistas.

Apesar da farinha ser super mão na roda, é importante sim consumirmos o grão inteiro. As fibras presentes no grão vai agir de maneira diferente do que as presentes na farinha. Esse monte de microrganismo que habita seu intestino precisa de comida e eles vão literalmente dar pulos de alegria quando o grão de bico chegar. Além disso seu aparelho digestivo vai ter que dar uma trabalhava (ou ele tá pensando que a vida é fácil? Sua época de papinha amassadinha já passou faz tempo). 

Então meus amores, a segunda dica é incluir em saladas, e a sugestão de hoje é um homus reinventado: os ingredientes são praticamente iguais, mas o sabor, ahhhhh o sabor! Se a primeira vista não causar nenhuma tipo de atrativo saibam de uma coisa: é a minha salada de grãos PREFERIDA no restaurante onde trabalho. É leve, é refrescante, é aromática, é amor e eu queria comer como se não houvesse amanhã.

Ainda há inúmeros meios de incluir o grão, nem cheguei a mencionar as preparações quentes... mas isso fica para outro post. ;)


Salada de grão de bico, tahine e hortelã

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite, glúten, ovos e soja.

2 xícaras de chá de grão de bico cozido*
1/3 xícara de chá de tahine**
suco de 1 limão grande
3 colheres de sopa de azeite de oliva
1/2 xícara de chá de folhas de hortelãs picadas grosseiramente com a mão
Sal e pimenta preta a gosto

Como sempre, o preparo é muito difícil. Mistura tudo. Fim.

Claro que as quantidades podem ser ajustadas a gosto. Eu adoro sentir bastante o sabor do limão, mas se não for o seu caso é só colocar menos. A hortelã é picada a grosso modo com as mãos para manter o frescor e o aroma e não oxidar as folhas. Se for fazer a salada com antecedência, deixe para colocá-la ao servir. 

*o grão de bico deve ficar de molho na água por no mínimo 12 horas antes de cozinhar. Eu prefiro deixar por 24 horas porque não cozinho na panela de pressão, então quanto mais hidratado menos tempo na panela. Se for usar a panela de pressão deixe por 15 minutos a partir do momento que a panela começar a chiar.  

**pasta de gergelim encontrado em casas de produtos naturais e também em grandes mercados junto a produtos árabes ou na parte de enlatados (milho em conserva, atum, etc).

Com muito amor,

Monalisa Cavallaro

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Creme de Avelã


Olá!

Conforme prometi no post anterior, aqui está a versão caseira do creme de avelã!
"Mas Monalisa, o sabor é igual?"
Claro que não!
Esse aqui não vai leite e nem a quantidade torrencial de açúcar que os cremes de avelãs industrializados possuem.

Sabe o que eu acho mais importante em um processo de adaptação ou na construção de um novo paladar? Não ficar comparando as coisas. 
Prove e deguste sem procurar sentir o sabor já conhecido. Se coloque a disposição e se abra para experimentar!

Pessoalmente, prefiro muito mais o sabor dessa versão aqui. O gosto das avelãs é super presente, consigo sentir os pedacinhos da avelã o que me agrada muito, não é tão doce e o gosto forte do cacau fecha o pacote com primor! Além disso, só de saber que estou consumindo algo super saudável, sem excesso de açúcar, gorduras ou qualquer outro aditivo desnecessário, me causa ainda mais satisfação.

Quem topa experimentar? :)


Creme de Avelã ("Nutella" caseira versão saudável)

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite, glúten, ovos e soja.

1 xícara (chá) de manteiga de avelãs (veja a receita aqui
2 colheres (sopa) de açúcar demerara 
Aprox. 7 colheres de sopa de leite de arroz (ou outra bebida vegetal) 
1 colher (sopa) cheia de cacau em pó 100% sem açúcar 
1 colher (café) de pasta ou extrato de baunilha (opcional)
1 pitada de sal marinho 

Misture o açúcar demerara com 3 colheres de sopa de bebida de arroz e reserve até o açúcar dissolver. Acrescente a manteiga de avelãs, o cacau, o extrato de baunilha e o sal. 
Coloque o restante do leite aos poucos até adquirir a consistência desejada.
Armazene na geladeira.

Observação: o que faz diferença nessa receita é a qualidade do cacau. Escolha um cacau 100% (eu uso o Callebaut que é facilmente encontrado em lojas de confeitaria), se for usar um cacau com teor menor provavelmente será necessário colocar uma quantidade maior para dar sabor.
A quantidade de leite vegetal varia porque depende da cremosidade que você quer no seu creme. Claro que todos os demais ingredientes podem ser alterados conforme seu paladar, vá provando enquanto prepara e aproveite! ;)

Com muito amor e avelãs,

Monalisa Cavallaro

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Como fazer manteiga de castanhas?


Oies!

Uma das perguntas mais frequentes que recebo é: o que passar no pão?
Muitos estão acostumados com manteiga, requeijão, cream cheese, queijos e demais derivados lácteos.
Depois da descoberta da intolerância à lactose percebi como o meu café da manhã era monótono, sempre a mesma opção. 90% das vezes era pão com manteiga e café, nunca tive o hábito de ter essa fartura láctea em casa, rs. Raramente incluía alguma coisa diferente... 

Após a intolerância isso mudou bastante, tive a fase de fazer patês, pasta de grão de bico, tapenade de azeitona, umas geleias caseiras com menos açúcar ou até mesmo azeite de oliva com orégano. Usei manteiga ghee por um tempo, mas logo enjoei. Depois passei para o pão com ovo quase que diário, crepioca, panquecas doces e salgadas e atualmente estou na fase das pastas de castanhas!

Sabe pasta ou manteiga de amendoim? 
A manteiga de castanhas segue o mesmo princípio. É a castanha batida no processador até soltar seu óleo e formar uma pasta homogênea. É uma gordura com ótimas propriedades nutricionais e a manteiga pura vai bem com opções doces e salgadas. 
Atualmente encontramos diversas opções no mercado, algumas com sabores bem diferentes (como uma que comprei recentemente com masala chai - um mix de expeciarias). O único problema é que são caras, mas muito caras, ai meu coração! :(

Então nada melhor do que fazer em casa, com a garantia de que a manteiga é pura e não tem acréscimo de óleo e ainda há a vantagem de personalizar o sabor do seu jeito!

Vem comigo que vou te ensinar:


A manteiga da foto é de avelãs torradas. Mas a minha preferida é a de amêndoas torradas!

Manteiga de Castanhas

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite, glúten, ovos e soja.

2 xícaras de chá de amêndoas cruas sem sal* (ou avelã, amendoim, castanha de caju...)

Está pensando que é só bater no processador? Nada disso!

Passo 1: Provavelmente você vai comprar a castanha a granel (ou se você for celíaco vai comprar em embalagem fechada de um fornecedor seguro). E assim como lavamos os legumes, frutas e verduras antes de consumir também vamos lavar as castanhas! Coloque-as em uma peneira e dê um belo banho na água corrente para a sujeira ir embora (e a água sai realmente suja!). Coloque de molho por 8 horas - eu coloco a noite antes de ir dormir e retiro no dia seguinte. 

Passo 2: No caso das amêndoas, prefiro tirar a pele para fazer a manteiga. Ferva um pouco de água e coloque as amêndoas na água quente por alguns minutos. Depois é só apertar cada amêndoa e a pele se solta com facilidade. Parece um trabalhão, mas o processo é bem rápido. No caso das avelãs e amendoim, nós tiramos a pele depois de torradas. Vou explicar abaixo. Se você não se importar e quiser usar a pele das amêndoas vá direto para o próximo passo.

Passo 3: Seque as castanhas em um pano de prato, coloque em uma assadeira e torre no forno. O tempo de forno vai variar, sugiro que mantenha o forno em fogo baixo, vá mexendo as castanhas com uma colher para que torrem por igual e quando estiverem douradas e crocantes retire do forno (prove para se certificar de que o centro não está úmido). Se você quiser fazer uma pasta de castanha natural, pule esse passo. Após torradas é a hora de retirar a pele das avelãs e do amendoim. Coloque em cima de um pano de prato e esfregue o pano nas castanhas, a pele vai se soltar com facilidade. 

Passo 4: Hora de bater! Você vai precisar de um processador, não recomendo o liquidificador a não ser que seja um com bastante potência. Retire as castanhas do forno e bata direto. No começo parece que será preciso acrescentar algum óleo para ajudar, mas não faça isso! Pare algumas vezes para raspar as laterais e continue batendo até que o óleo se solte. Faço com um processador bem velhinho e essa quantidade de amêndoas geralmente leva 20 minutos para ficar pronta. As avelãs demoram um pouco mais para soltar o óleo e as castanhas de caju são mais rápidas do que as amêndoas. Como meu processador não tem muita potência a manteiga de avelãs não fica com a textura totalmente lisa, ainda fica granulada (foto abaixo).  

Passo 5: A manteiga já está pronta, armazene em pote fechado, não precisa guardar na geladeira.
Caso você queira acrescentar algum sabor pode colocar cacau em pó, canela em pó, adoçar com açúcar mascavo, etc. Se você for colocar açúcar mascavo ou demerara sugiro que dissolva o açúcar em um pouquinho de leite vegetal e depois bata tudo junto. Se não dissolver vai dar para sentir o granulado do açúcar. Se acrescentar alguma coisa sugiro que mantenha na geladeira para aumentar a durabilidade.

No próximo post vou colocar para vocês a receita de nutella caseira utilizando a manteiga de avelãs. :)


Gravei alguns vídeos com o Personare na feira Naturaltech e o primeiro deles já foi ao ar! 
Veja abaixo:


E para ter acesso a todas as matérias que já escrevi por lá (a última é sobre receitas de festa junina!) acesse esse link.

Grande beijo,

Monalisa Cavallaro

domingo, 17 de junho de 2018

Bolo de Fubá Cremoso


Olá, Amores!

Quem já está no clima das festas juninas?! Que época boa para aproveitar todas as delícias a base de milho, amendoim e tantos doces típicos (claro que tudo na versão sem lactose!). 

Sem dúvida, esse foi o melhor bolo cremoso de fubá que já fiz. Tenho outra receita aqui no blog, mas não se compara nem um pouco a essa!

E o melhor de tudo é que é super fácil, é só bater no liquidificador e assar direitinho até dourar.

Tem alguma sobremesa típica que você gostaria de aprender a fazer? Deixe seu comentário nesse post me contando! ;) 


Bolo de fubá Cremoso
Fonte: receita daqui, só aumentei a quantidade de óleo.

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite, glúten e soja. Contém ovo.

500 ml de leite de coco
1 xícara de chá de água
4 ovos
1 1/2 xícara de chá de açúcar demerara
1/2 xícara de chá de amido de milho
1 xícara de chá de fubá fino
3 colheres de sopa de óleo
1 colher de sopa de fermento químico em pó

Bata todos os ingredientes no liquidificador (menos o fermento). Quando estiver homogêneo, acrescente o fermento e pulse apenas para misturar.
Coloque a massa em uma forma redonda de 22 cm untada com óleo (usei uma forma antiaderente) e asse por 35 minutos em forno médio preaquecido (fique de olho, o tempo de forno pode variar, o bolo deve ficar dourado por cima).
Aguarde ficar bem morninho para cortar.


Com amor,

Monalisa Cavallaro

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Pãozinho de Santo Antônio



Queridos e Queridas!

Fiz essa receita hoje e enquanto fazia fui colocando o passo a passo no stories... e devido a chuva de mensagens privadas que recebi das seguidoras solteiras vim postar correndo para dar tempo de vocês fazerem no próximo dia 13! rs

Dia 13 de junho é dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro, e conversando com uma amiga lembramos do pãozinho que é distribuído nas paróquias. Não sou muito conhecedora das tradições, mas me explicaram que o pão pode ser colocado no pote de arroz para ter fartura o ano inteiro ou pode ser consumido pensando em atrair um relacionamento.

Eu não fiz promessa para o Santo, mas prometi para essa amiga que faria o pãozinho e levaria para ela para que atraia um relacionamento maravilhoso!
Como não vou conseguir fazer no dia, já garanti hoje e estou aqui firme e forte para não comer tudo antes de levar a parte dela, rs.

Acredito que tudo o que fazemos com boa intenção e amor tem o poder de transmitir boas energias. Não sou santa casamenteira, mas coloquei muito amor e muitos desejos lindos enquanto amassava os pães. Que o Santo a ouça (e que me ouça de tabela também, afinal estou fazendo uma boa ação, né gente?! hahaha Cara de pau é pouco! :). Brincadeiras a parte, sugiro que façam intencionando um desejo, mas principalmente agradecendo pela vida! <3 


Pãozinho de Santo Antônio
Fonte: ligeiramente adaptado daqui.

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite, lactose e soja. Contém glúten e ovos.

1 ovo
1 colher de sopa de açúcar demerara
1/4 de xícara de chá de óleo
1 colher de chá de sal
1 xícara de chá de água morna
1 sachê de fermento biológico seco
Aproximadamente 500g de farinha (não será necessário utilizar tudo)
1 gema para pincelar (opcional)

Misture o ovo, o açúcar demerara, o óleo e a água. Bata com um garfo até ficar homogêneo. Acrescente o fermento e bata com o garfo novamente.
Despeje em uma bacia ou tigela grande e acrescente a farinha aos poucos. Primeiro misture com a ajuda de uma colher e quando estiver mais difícil passe a misturar com as mãos. Agora é a hora de sentir a massa, não despeje a farinha de uma vez, é preciso colocar aos poucos e ir sentindo, senão você corre o risco de ter um pão massudo e duro. Acrescente um pouco de farinha e sove. Coloque mais um pouquinho e sove novamente. Quando a massa estiver bem macia e quase sem grudar nas mãos (ainda vai grudar um pouco) forre o fundo da bacia com um pouco de farinha, cubra com uma toalha e coloque para crescer em local quente por 1 hora ou até dobrar de tamanho. (Para vocês terem uma noção, sobrou quase 2 xícaras de farinha, mas como isso pode variar é necessário sentir a massa!)
Após o período de descanso, faça bolinhas (fiz 12 unidades) e coloque para crescer novamente. Dessa vez, coloquei em cima do fogão coberto com pano de prato enquanto o forno preaquecia. Deixe em torno de 20 - 30 minutos até crescerem.
Asse em forno médio preaquecido (180 graus) por aproximadamente 30 minutos. Fique de olho, o tempo de forno pode variar, quando o topo estiver dourado e o fundo dos pãezinhos também já estão prontos.

Sequência da receita do pão que coloquei no stories enquanto preparava. :) 


E gostaria de agradecer a todos que passaram no stand do Personare na Naturaltech, foi maravilhoso ter a oportunidade de compartilhar e participar! Depois da palestra gravei alguns conteúdos com o maravilhoso Cleber da equipe do Personare e assim que for ao ar aviso vocês!

Muito obrigada, equipe Personare, pela confiança! <3


Com muito amor e bons desejos,

Monalisa Cavallaro

domingo, 3 de junho de 2018

Você vai na Natural Tech? Então tenho um convite especial para você....


Queridos e Queridas do meu coração!

Vocês vão visitar a Natural Tech esse ano? 
Para quem não sabe a Natural Tech é a maior feira de produtos orgânicos e naturais da América Latina,!É aberta ao público, gratuita e sempre repleta de novidades no setor da alimentação: alimentação saudável, funcional, produtos veganos... enfim, é o paraíso para quem curte o tema!
Esse ano será no Anhembi (SP), nos dias 6 a 9 de junho das 11h00 as 20h00. 

No sábado, dia 09/06 estarei no stand do Personare fazendo uma vivência em dois horários: as 17h00 e as 18h00 sobre os desafios da descoberta da intolerância à lactose. Porém não vamos conversar apenas sobre os desafios relacionados a parte física: readaptação alimentar, substituição de alimentos, etc... vamos falar sobre um lado que muitas vezes fica esquecido, que é o lado emocional!

Você já descobriu a IL faz tempo e ainda não melhorou? Você acabou de descobrir e está passando por uma fase muito difícil de adaptação? Você conhece alguém que esteja em algumas dessas situações?
Então sinta-se acolhido, pois vamos conversar juntos sobre tudo isso e entender o que é possível fazer para transformar essa condição em uma ferramenta de autoconhecimento e evolução!

Vai ser um prazer imenso estar com vocês e compartilhar questões que eu mesma já vivenciei e continuo vivenciando até hoje!

Então anota na agenda: dia 09/06 - sábado - as 17h00 e as 18h00 no stand do Personare (não precisa se inscrever com antecedência, é só chegar!)

Durante os quatro dias da feira o Personare estará com atividades relacionadas ao tema alimentação com um time completo de profissionais, clique aqui para saber mais e acessem o meu perfil no site do Personare para ler todos os artigos sobre intolerância à lactose que já publiquei por lá e a descrição das atividades que exerço.

Com amor,

Monalisa Cavallaro

domingo, 27 de maio de 2018

Cookie Formigueiro


Queridos e Queridas do meu coração!

Gostei tanto desses cookies que já fiz a receita duas vezes!
São levemente doces, apesar de ter chocolate granulado na massa. Vocês vão notar que a quantidade de açúcar é reduzida e que o ingrediente principal é a farinha de grão de bico.

Ainda não testei com outras farinhas, mas caso vocês não estejam com farinha de grão de bico em casa sugiro um teste com a farinha de aveia.
Ah, e incentivo quem ainda provou a farinha de grão de bico a provar o quanto antes! Além de todos os benefícios que ela oferece e que já comentei aqui anteriormente (proteína, fibras, vitaminas...), ela deixa as preparações com uma boa textura e tem sabor agradável. Procure em casa de produtos naturais ou zonas cerealistas. :)


Cookie Formigueiro de Farinha de Grão de Bico
Fonte: adaptado do I Heart Vegetables

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite e glúten. Contém ovos e soja* (ler observação).

1 + 3/4 xícara de chá de farinha de grão de bico
1/4 xícara de chá de açúcar demerara (se preferir, aumente a quantidade)
3 colheres de sopa de chocolate granulado (ou chocolate ralado)*veja observação abaixo
1/2 colher de chá de fermento químico em pó
1 pitada de sal
2 ovos
1/4 de xícara de chá de óleo de coco sem sabor derretido

Misture 1 xícara de chá de farinha de grão de bico, o açúcar, o chocolate granulado, o fermento e a pitada de sal. A parte, misture os ovos e o óleo de coco, despeje na mistura de farinhas e mexa bem. 

Agora escolha a sua versão de preferência: repare que coloquei a foto dos cookies grandes mais esparramados e uma foto abaixo de cookies menores e mais rachados.

Para a versão de cookies maiores esparramados: coloque apenas mais 1/2 xícara de chá da farinha de grão de bico restante e misture. Coloque colheradas da massa na assadeira untada com óleo ou forrada com tapete de silicone (coloquei cerca de 1 colher de sopa cheia) e arrume o formato dos cookies com as pontas dos dedos. A massa vai esparramar quando estiver assando, então não precisa achatá-los e deixe uma boa distância entre cada cookie. Asse em forno médio preaquecido (180 graus) por aproximadamente 12 minutos. Fique de olho, o tempo de forno pode variar, quando os cookies estiverem secos e levemente dourados pode tirar do forno. A parte debaixo estará douradinha. Espere amornar para retirar da assadeira.

Para a segunda versão coloque a medida inteira (3/4 xíc.), modele bolinhas menores com as mãos (gruda um pouco nas mãos, mas nada demais). Distribua em uma assadeira untada com óleo ou forrada com tapete de silicone e asse por 20 minutos ou até dourar. Esta versão fica mais firme e crocante por fora, mas com o interior macio, não ficaram tão bonitos, mas o sabor ficou delicioso também! 

*Observação: usei o chocolate granulado da marca Dori, que não contém glúten e leite, porém contém derivado de soja. Caso você não posso ingerir soja, utilize chocolate em barra ralado sem presença ou contaminação de soja na composição, leia o rótulo.


Cookies menorzinhos :) 
Gostei das duas versões, mas a crocância dos pequenos ganhou minha preferência. 


Com amor e com doçura na medida certa,

Monalisa Cavallaro

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Bolinho de Fubá


Olá, Queridos e Queridas do meu coração!

Uma pena que a foto não exalta a beleza e gostosura desses bolinhos!
Essa é aquela receita perfeita para levar de lanche, para congelar ou para usar como massa coringa para rechear da maneira que desejar (pode incluir goiabada na massa, rechear com geleia depois de pronto ou utilizar uma cobertura gostosa, como essa cobertura de chocolate).

No dia seguinte após assados eles ficam um pouco secos, então levei de lanche acompanhado de pasta de amendoim. Combinou bastante e me remeteu as festas juninas. Fica de dica para o próximo mês! ;)


Bolinho de Fubá (vegano)

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite, glúten, ovos e soja.

1/4 xícara (chá) de farinha de linhaça
1 xícara (chá) de fubá fino
1 xícara (chá) de açúcar demerara
3/4 xícara (chá) de farinha de arroz
1 colher (chá) de canela em pó
1/2 colher (chá) de sal
1 xícara (chá) de leite de coco
1 colher (sopa) de fermento químico em pó

Observação: essa receita não vai óleo.

Misture todos os ingredientes deixando para misturar o fermento por último.
Distribua a massa em forminhas de cupcake untadas com óleo ou cobertas com forminhas de papel.
Asse em forno médio preaquecido (180 graus) por 25 minutos. Faça o teste do palito.

Se quiser, coloque goiabada picadinha na massa ou sirva recheado com geleia ou pasta de amendoim.


Com amor e bolinhos,

Monalisa Cavallaro

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Chocolate granulado caseiro

Olá, Queridos e Queridas!

Estava organizando meus arquivos e vi que algumas receitas publicadas nas redes sociais ainda não vieram para o blog! É o caso dessa receita de granulado caseiro que foi feita pela Márcia Ribeiro - a Marcinha, amiga muito fofa e cozinheira que trabalha comigo. 

A Marcinha se baseou no livro maravilhoso da Raiza Costa. Os granulados foram feitos para cobrir ovinhos de colher que fizemos na Páscoa e para esse fim ficaram perfeitos!
Como decoração de bolos também ficam ótimos! Já para brigadeiros não recomendo, ele vai acabar desmanchando. 

É um confeito açucarado, mas pelo menos não contém o restante dos itens artificiais que encontramos em confeitos industrializados. Eu adorei, achei bem fácil e principalmente: muito gostoso! Deu vontade de pegar uma colher e comer tudo, rs. 

Como essa receita foi postada no stories hoje teremos um formato diferente, a receita vem em fotos e tem um pequeno vídeo lá no final! :)

Chocolate granulado caseiro

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite, lactose, glúten, ovos e soja.








Clique no play para ver como retirar do papel:



Com amor e confeitos,

Monalisa Cavallaro

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Pudim de pão


Olá, Queridos e Queridas!

Ai que saudade que eu estava de um pudimmm! :)
Eu tenho 9 receitas de pudim no blog, essa é a décima! Se você ainda não viu o pudim da Carol (mais famoso de todos!), pudim de chocolate, pudim de milho, pudim de claras, pudim de tapioca e tantos outros dá uma olhadinha aqui no índice de receitas doces (veja o título "Bolos cremosos, suflês e pudim"). ;)

A vontade de fazer esse pudim surgiu quando a Dona Ana, uma jovem senhora neta de italianos que trabalha comigo no restaurante, se ofereceu para fazer pudim de pão com os pães que acabam sobrando do nosso café da manhã dos funcionários. Ela já fez algumas vezes, é um pudim super elogiado que eu nunca tive a oportunidade de provar: é feito com a receita tradicional - com leite. :(

Como fiquei sabendo que ela iria fazer o pudim com antecedência pedi por favor para que ela fizesse pelo menos um pequenininho com leite vegetal para mim. Então combinamos o dia, eu fiquei de ensinar para ela como faz o leite de amêndoas e começamos a juntar os pães com muita expectativa para o dia do pudim.

E o dia chegou.

Com a maior empolgação separamos os ingredientes, escolhemos as formas e descemos para um setor separado apenas para fazer o pudim. 
O sonho acabou no momento que abrimos o saco dos pães: tudo mofado! Aconteceu um acidente e só percebemos quando o saco foi aberto! :(
Pensa no balde de água fria e na lombriga atiçada pedindo por pudim dentro da nossa barriga! Abortamos a missão, guardamos tudo e deixamos para a próxima!

Mas... obviamente eu não consegui aguardar. Fiz em casa e matei a vontade! Estou devendo levar uma forma apenas para compartilhar com o pessoal do trabalho, vou anotar na minha lista de pendências gastronômicas (que está cada vez maior!), rs.  

Quem fizer me conta se gostou e me marca nas fotos no Instagram! :) 


Pudim de Pão

Atenção alérgicos e intolerantes: receita sem leite, sem soja. Contém ovos e glúten (porém pode ser feita em uma versão sem glutén, ver observação ao final da receita).

1 xícara de chá de leite de coco
1 xícara de chá de leite de aveia*
1 xícara de chá de água
3 pães franceses**
1 xícara de açúcar demerara
4 ovos
1 colher de sopa de óleo
2 colheres de chá de extrato de baunilha

5 colheres de sobremesa de açúcar demerara para caramelizar a forma

Inicie caramelizando a forma. Eu usei uma forma com furo no meio de 22 cm de diâmetro. Coloquei a forma diretamente na chama do fogão e fiquei virando levemente (segurando com a ajuda de um pano de prato para não me queimar) até que o açúcar dissolvesse completamente. Ou vocês podem fazer o caramelo em uma panela e jogar na forma. Reserve.

Aqueça o leite de coco, aveia e água até ficar morno. Pique os pães com as mãos e coloque dentro do recipiente com os leites. Deixe descansando até que os pães fiquem bem moles. 
Enquanto isso, abra os ovos e separe as claras das gemas. Então peneire as gemas. 
Coloque o açúcar, o óleo e o extrato de baunilha na mistura com os pães. Por último acrescente os ovos e bata com um mixer (ou passe tudo para o liquidificador e bata até ficar homogêneo). O leite não pode estar quente, senão corremos o risco de cozinhar os ovos, ok?

Coloque na forma de pudim caramelizada e asse em banho maria por aproximadamente 1 hora e 20 minutos - forno médio. O tempo de forno pode variar, o meu quando completou 1 hora ainda estava muito mole no centro, portanto fique de olho e para saber se está pronto dê uma leve sacudida na forma e verifique se a massa está firme. 

Deixe esfriar por pelo menos 3 horas na geladeira (eu fiz a noite e só desenformei na manhã seguinte). Aqueça o fundo da forma na chama do fogão para facilitar na hora de desenformar. 

Observação:
*É possível utilizar 2 xícaras de apenas um tipo de leite + 1 xícara de água ou 3 xícaras de apenas um tipo leite vegetal, se preferir. Celíacos, preparar o leite de aveia com aveia sem glúten.
**Celíacos: utilizem o equivalente em pão sem glúten.


Um beijo e um pedaço de pudim,

Monalisa Cavallaro